Relatório de Debates



Coordenação-discente: Rafael Gonzaga Muller

Data: 18/08/2020

Referência(s)



PAPASTAMATIN, Yepe; M, Roberto. América Latina y el Caribe en el informe de tendencias globales del Consejo Nacional de Inteligencia de los Estados Unidos. Universidad de La Habana, n. 278, p. 154–166, dez. 2014. Disponível em: http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0253-92762014000200010&lng=es&nrm=iso&tlng=es. Acesso em: 28 maio 2020.


Pontos destacados do(s) texto(s) (paráfrases e citações)



Apresentação do Documento: Ao pensar o futuro da politica dos EUA para América Latina e Caribe a longo prazo é importante levantar as próprias imagens geradas por eles. O NIC é um centro de pensamento estratégico subordinado ao Direito Nacional de Inteligencia. Seu papel é fazer prognósticos sobre assuntos internacionais destinados ao presidente e outros altos funarioideos do governo.

Falsa neutralidade do documento: É de suma importância notar que apesar de se querer propor neutro e “científico” o relatório do NIC acaba servindo aos valores para quais foi criado, manter a hegemonia e servir os interesses de seu Estado. Em primeiro lugar não devemos descartar os vieses de quem produz esse relatório e de onde é produzido e, se de um lado é verdade que esse processo tem se tornado internacionalizado, com vistas a uma maior “legitimidade” da comunidade internacional, essa via é de mão dupla, o NIC também está recebendo informações para enriquecer suas pesquisas e, ao publicar os resultados, trazer a visão estadunidense do mundo com roupagem “neutra”.

Um dos exemplos dessa falsa neutralidade seria a mudança de posição do futuro brasileiro a partir do momento em que os governos do PT e os EUA se aproximam. Outro ponto seria o completo apagamento dos EUA como criadores de instabilidade na América Central e Caribe, os EUA como principal país na demanda por Drogas e um dos principais fatores de desestabilização. Em parte esse apagamento é proposital pois uma vez que cria-se a instabilidade perto da sua zona de influência, legitima-se possíveis intervenções militares.

Futuro da América Latina: O relatório descreve um futuro sombrio para a América Central e Caribe. Propõe, propriamente, o conceito de Estados Falidos. Esses Estados, frágeis por diversos fatores, acabam se tornando bases deterroristas e grupos criminosos. O mesmo raciocínio é também expresso para Cuba e Venezuela. Fuga de cérebros e balanças comerciais extremamente viciadas são outros pontos apontados pelo relatório.

Las desigualdades estallan en la medida en que algunos países son grandes ganadores y otros fracasan. Las desigualda des al interior de los países incrementan las tensiones sociales. Aunque sin desentenderse del todo de los temas de seguridad internacional, los Estados Unidos dejan de ser el «policía mundial».

Projeções para o Brasil: En el escenario de fusión, se visualizó a Brasil como el posible centro científico de una nueva revolución verde, aunque de manera general tendría una relevancia menor que en la alternativa anterior, en la que los Estados Unidos y China competerían por ganarse el apoyo de las potencias medias. En el escenario del Gini fuera de la botella, se estableció que los esfuerzos de Brasil para combatir la desigualdad tendrían como dividendo una inestabilidad interna menor a la sufrida por otros Estados.

Securitismo: Por otro lado, la insistencia en los problemas y peligros que afectan a estos países busca justificar la presencia de personal militar, policial o de los servicios de seguridad de las diversas agencias estadounidenses, acreditados o no en sus respectivas misiones diplomáticas. Asimismo, persigue el establecimiento de nuevos acuerdos y mecanismos de cooperación en las áreas militar y de seguridad cada vez más lesivos a la soberanía de las naciones latinoamericanas y caribeñas implicadas.”

Conclusão: “[...] es necesario tener igual conciencia de que la potencia hegemónica en descenso es la primera conocedora de su proceso de debilitamiento relativo, y hará todo lo que esté a su alcance, con los inmensos y multifacéticos recursos de poder de los que todavía dispone, para enlentecer e intentar revertir dicho proceso. En particular, buscará aprovechar todas las oportunidades que se le presenten para reafirmar su posición hegemónica sobre lo que históricamente ha definido como su «patio trasero».


Debates para além-texto



A) Características gerais do texto e conteúdo: o fato de se tratar de um texto de autor de universidade cubana; nunca se ter ouvido falar do relatório analisado no texto, apesar de ser de acesso livre; o texto sucinto, claro, fluido e cirúrgico.

B) Projeções de Cenários:

b1) conforme nota, cenário de fusão com China e cooperação global parte do pressuposto de que a China cederia completamente ao interesses norte-americanos.

b2) apesar de registrados como futuros independentes entre si, hoje (8 anos após as projeções do documento) percebem-se movimentos tanto do cenário de aprofundamento das desigualdades sociais e tensões internas dos países quanto do impulsionamento dos atores privados na tentativa de solução de desafios globais.

b3) reflete-se que tais cenários não estão apenas coincidentemente correlacionados, mas em relação de causa e efeito: a crença de que o setor privado seria capaz de solucionar os problemas sociais e, com isso, as privatizações e liberalizações, dá subsídios para que as desigualdades aumentem.

C) Projeções em Relação ao Brasil:

c1) o relatório (2012) explicitamente apresenta mudança de visão em relação ao Brasil em virtude da governança pelo Partido dos Trabalhadores;

c2) as projeções em relação ao Brasil eram positivas, envolvendo, inclusive, figurar como potência do setor ambiental sustentável e como estabilizador social na região da América Latina;

c3) discute-se até que ponto o relatório é fidedigno em suas tentativas de projeções e até que ponto serve, ele mesmo, de desinformação perante o mundo, para criar uma atmosfera de despreocupação no Brasil e, com isso, facilitar os ataques à sua economia; isso porque o próprio relatório reconhece que o Brasil tem a Washington como sustentador de seu crescimento e que a sua estabilidade depende do EUA; ao mesmo tempo, uma proposta político-econômica diferenciada como vinha sendo aplicada teria que ser combatida (como foi) pelos EUA, fazendo com que as projeções reais, obviamente, fossem de crise (como a fabricada em 2015 e que estão sendo vividas atualmente).

D) Omissões do Texto: o texto pouco menciona a Rússia e seu papel na América Latina, ao que foram levantados hipóteses: ser uma decorrência direta do relatório analisado (que ele próprio omitira essa influência, apesar de haver um tópico específico para o tratamento da Rússia); ser uma opção do próprio autor do texto, em virtude de suas filiações.

E) Securitismo e absenteísmo no discurso dos EUA: em vários trechos do documento analisado, pouco é informado a respeito do próprio papel dos EUA nos problemas sociais e econômicos existentes na América Latina, tomando-os como fenômenos externos e independentes; além disso, como solução para tais problemas, o documento aponta apenas alternativas securitistas, com o uso das forças de segurança contra todo o grupo composto, ao mesmo tempo, por terroristas, crime organizado e insurgentes políticos locais.

---
Voltar para página inicial